domingo, 27 de novembro de 2011

Inaugurada a Central Eléctrica de Hera (4)

Depois de carregar no botão, o PR Horta felicitou Xanana por esta sua obra. Notou-se nesta cerimónia a ausência dos líderes da Oposição.

Inaugurada a Central Eléctrica de Hera (3)

São neste momento 00:00 horas de Timor-Leste. O PR Horta ladeado do Vice-Pm José Luís Guterres, Presidente do PN e Vigário-Geral da Diocese de Díli, acaba de carregar no botão que fornece a energia eléctrica da nova central eléctrica que vai fornecer energia 24 horas por dia. Ribombam foguetes, neste momento em Díli.

Inaugurada a Central Eléctrica de Hera (2)

O PR Horta elogia o PM Xanana - ausente na inauguração da Central Eléctrica de Hera, em tratamento médico em Singapura - recordando, no seu discurso, o percurso do herói que em 1981, depois do aniquilamento das Bases de Apoio nas montanhas pelo inimigo, reergueu a Resistência.

Inaugurada a Central Eléctrica de Hera

A está a decorrer neste momento, no Palácio do Governo, a inauguração da Central Eléctrica de Hera que vai permitir a costa norte do país acesso a energia eléctrica 24 horas por dia. Contudo, esta inauguração - que marca o primeiro dia de uma nova etapa no desenvolvimento de Timor-Leste - está a decorrer sem a presença do Primeiro-ministro Xanana Gusmão que se encontra, neste momento, em Singapura para tratamento médico.

Fado: Património Imaterial da Humanidade

O Fado, a canção que melhor traduz a alma portuguesa, é Património Imaterial da Humanidade, a partir de hoje, 27 de Novembro de 2011. A candidatura portuguesa de Fado foi aprovada, hoje, em Bali, pela Unesco.


segunda-feira, 11 de julho de 2011

Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste aprovado (3)

Antes de os deputados da bancada da Fretilin abandonarem o plenário do PN, intervieram os deputados Antoninho Bianco e Aniceto Guterres. O deputado Bianco apresentou as suas razões (e as da sua bancada) de não apoio ao "Plano"; afirmou também que se deveria encontrar um consenso no parlamento uma vez que é um 'plano' que visa vincular os futuros governos por vinte anos; e não encontrando esse consenso, o 'plano' é de apenas do Governo e da coligação AMP e não dos Biberes e Mauberes. Aniceto Guterres interveio a seguir falou na mesma linha de pensamento do anterior orador seu correlegionário. Após a sua intervenção, todos os deputados da bancada da Fretilin começaram a abandonar o plenário.

Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste aprovado (2)

Como a discussão do "Plano" estava a arrastar-se, visto que o Regimento do PN previa o fecho do plenário às 18:00 minutos, alguns deputados sugeriram apresentar já a moção ou moções para a votação. Assim, o Presidente interino do PN, Vicente Guterres, solicitou à Secretária da mesa para ler a moção. Finda a leitura o deputado Cecílio Caminha solicitou a palavra e objectou o processo da apresentação da moção, afirmando que o Parlamento tinha que apresentar a sua própria moção, não podendo votar uma moção apresentada pelo Governo. Esta posição foi secundada por alguns deputados. Vicente Guterres, dirigindo-se a esses deputados, esclareceu que as propostas legislativas podem vir de bancadas, deputados e governo. Uma vez discutidas e aprovadas em plenário são legislações do Parlamento Nacional e não pertencem aos seus proponentes. Isto é, depois de aprovadas não aparecem os nomes dos seus proponentes, uma vez que são legislações emanadas do próprio Parlamento Nacional. Vicente Guterres acrescentou que lamenta que depois de muitos anos de vida parlamentar haja deputados que ainda ignoram o processo de acto legislativo.

Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste aprovado

Após um dia inteiro de discussões, foi, hoje, 11/07, 18.20 minutos, aprovado por unanimidade dos deputados presentes (bancada do CNRT, PD, PSD, ASDT, UNDERTIM, PPT e o deputado independente Mateus) o Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste apresentado pelo Governo presidido por Primeiro-ministro Xanana Gusmão. Votaram a favor 38 votos, 0 abstenções e 0 nulos. Os deputados da bancada da Fretilin, PUN e Kota abandonaram o plenário por volta das 15:50 minutos. O deputado Jacob Xavier da bancada PPT e o deputado independente Mateus (ex-PUN) votaram a favor do "Plano" apresentado pelo Governo apesar de não fazerem parte da coligação AMP.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Greater Sunrise e a fronteira marítima

«O pecado político [de Mari Alkatiri e de Ramos-Horta], que o povo tem de conhecer, nasceu a 20 de Maio de 2002, nas instalações do ex-Mercado Lama, actuais instalações do Centro de Convenções de Díli, na reunião havida entre os governos de Timor-Leste, representado pelo Primeiro-ministro Mari Alkatiri, e da Austrália, representado pelo Primeiro-ministro John Hower, quando assinaram o Tratado do Mar de Timor (Timor Sea Treaty). No anexo E, artigo 9, alínea b, deste tratado, reconhece e regula a “Unitization of Greater Sunrise”; e mais tarde, a 6 de Março de 2003, em Díli, Mari Alkatiri assinou, com o Governo australiano, um novo documento para vincular o Tratado do Mar de Timor ao International Unitization Aggrement (IUA). Neste acordo diz o seguinte: “Acknowledging that Timor-Leste and Australia agreed under Anex (E) of the Timor Sea Treaty to unities Greater Sunrise on the basis that 20,1% of Greater Sunrise lies within the JPDA and that production from Greater Sunrise”, isto é, 79,9% de área do campo de Greater Sunrise pertence, em exclusivo, à jurisdição da Austrália e [apenas] 20,1% é a área da exploração conjunta (JPDA) partilhada pela Austrália e Timor-Leste. Significa que a Austrália conseguiu direito de exploração sobre a enorme fatia do campo de Greater Sunrise, porque nós concedemos-lhe esse direito na assinatura do Tratado do Mar de Timor (Timor Sea Treaty) e do acordo IUA. A sua consequência e os seus efeitos práticos são a perda automática dos nossos direitos [da nossa soberania?] sobre o nosso mar do Sul, Tasi Mane, que de acordo com o Direito Internacional consagrado na United Nations Convention on the Law of the Sea (UNCLOS), Secção 2, Artigo 3, 4 e 5, estipula que cada país tem o direito exclusivo sobre o seu mar territorial até 12 milhas náuticas (22 km pelo mar adentro), no máximo, a contar a partir do litoral de cada Estado. Apoiando-se no que esta convenção da ONU sobre o direito do mar (UNCLOS) preconiza, perto dos 100% do campo de Greater Sunrise pertence em absoluto à soberania de Timor-Leste. E mais grave ainda é o acordo “Certain Martima Arrangement in the Timor Sea”, assinado a 12 de Janeiro de 2006, em Sidney, Austrália, pelo José Ramos-Horta, ministro da Cooperação e dos Negócios Estrangeiros da RDTL, com Alexandre Downer, ministro dos Negócios Estrangeiros da Austrália, que estipula o período da vigência deste tratado em que diz, no Artigo 12 “Period of this Treaty”, que o “Tratado” vigora durante 50 anos (cinquenta anos), isto é, é concedida à Austrália direito de exploração de petróleo até secarem os poços. Sonegam esta informação e escondem, até a presente data, esta traição ao Povo. »

In AILEBA LIAN

http://ailebalian.blogspot.com/2011/06/o-pecado-politico-do-marie-alktiri-e.html

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Xanana: "A própria ONU precisa de uma grande reforma."

Não resisto em publicar mais um excerto do discurso de Xanana Gusmão - que fala da sustentabilidade e transparência - proferido dia 17/5, no Centro de Convenções de Díli.

«E o Mundo precisa de uma grande reforma. As grandes e pesadas organizações, no mundo, precisam de uma grande e profunda reforma a fim de se proceder a uma limpeza à casa para, deste modo, adquirirem experiência para poder aspirar a limpar o quintal de outros. A própria ONU precisa de uma grande reforma.

Em 2004, eu, enquanto Presidente da República, Dr. Ramos-Horta era ainda Ministro dos Negócios Estrangeiros, fomos em visita à Alemanha. O Presidente alemão solicitou a Timor-Leste para apoiar a Reforma na ONU e a sua candidatura ao Conselho de Segurança. Eu disse ao Presidente alemão o seguinte: "A Reforma na ONU não pode limitar-se apenas a admissão de novos membros ao Conselho de Segurança. Tem de haver mesmo uma reforma, porque a ONU é uma organização muito pesada e burocrática, que gasta muito dinheiro... e todos nós constatámos que a pobreza e os pobres continuam a aumentar no mundo inteiro."

Tem de haver, imperativamente, reforma nas agências - agências essas que recrutam num círculo fechado os seus colaboradores para defenderem, apenas de "boca para fora", padrões e 'standards' que não praticam. Os países poderosos e ricos não podem continuar a impor as suas regras ao resto do mundo. E os países pequenos e pobres não podem calar-se e limitar-se apenas a receber e aceitar passivamente recomendações e palavras ocas que entram nos seus ouvidos.

Em Fevereiro, participei na "Jakarta International Dialogue on Defense". Na minha intervenção, desafiei os participantes, civis e militares, da Europa a Ásia, dos representantes da ONU a África e Médio Oriente, para dizer o seguinte: "Porque é que não procuramos uma via, um caminho para acabar com muitas guerras que gastam, em cada ano, biliões de dólares, para que a comunidade internacional possa elaborar um bom plano [de auxílio] para solucionar a falta de água em regiões áridas, sobretudo em África, para que, deste modo, o dinheiro destinado à guerra pudesse salvar centenas de milhões de pessoas, com verdadeira sustentabilidade?"

Nesta conferência também havia um tópico que se relacionava com transparência relativa a ajudas vindas de fora. Falei, em jeito de provocação, das Agências internacionais que gastam enormes somas de dinheiro [no combate à fome], e, em algumas regiões de intervenção dessas agências, uma vez terminada a distribuição de arroz, elaboram grandes e extensos relatórios dizendo que estão a salvar gente da fome para pedir mais dinheiro a fim de continuarem simplesmente a distribuir arroz.

A somar a isto [transparência], temos sustentabilidade, que, hoje em dia, se tornou em uma palavra cara para alguns "experts" nesta nossa querida terra. Algumas Agências ou ONGs, depois de conseguirem financiamento, vêm realizar algum trabalho e, uma vez esgotado o dinheiro, vêm a correr pedir ajuda ao Governo para não encerrarem as portas. No entanto, todos dias, vêm pregar-nos a sustentabilidade. E, também, aqueles timorenses que se tornaram já "experts" vêm todos os dias pregar-nos a sustentabilidade. Porquê? Porque se não berrarem, os financiadores deixam de lhes dar dinheiro, assim também eles já não têm sustentabilidade.»

domingo, 22 de maio de 2011

Os "experts" da UNMIT: peritos em quê?! (5)

Mais uma alfinetada a UNMIT: Xanana explica as razões pelas quais vai alongar a sua intervenção.

«Eu ia fazer uma intervenção breve, mas peço licença a V.Exas para falar mais um bocadinho, porque eu, também, li ontem um bom e óptimo documento da UNMIT. Fiquei contente ao ler o "Wikileaks" de Timor ou a "ONUleaks" que o Tempo Semanal divulgou ontem.

A 24 de Janeiro deste ano, a UNMIT fez uma apresentação para o seu staff subordinada ao tema «Governação Democrática em Timor-Leste». Nesta apresentação afirmou-se que Xanana Gusmão é o maior obstáculo ao desenvolvimento da democracia em Timor-Leste. Estou deveras contente porque eles demonstram que não conhecem Xanana Gusmão. E, agora, eu declaro a todos vós, e aproveito para lhes dizer [a UNMIT] também, como, em 2009, respondi à Inteligência australiana quando me questionaram sobre as motivações de compra de navios patrulha à China.

Xanana Gusmão era marxista-leninista enquanto membro do Comité Central da Fretilin que aclamou o Marxismo-Leninismo como ideologia da Fretilin a 20/05/1977, em Laline. Os que participaram, também, naquele evento e ainda vivos são Abel Larisina, Má Huno e Filomeno Paixão.

Se Xanana Gusmão quisesse ser Presidente da Fretilin e Presidente da RDTL, a 3/03/1981, na Conferência da Reorganização da Luta, tinha o caminho livre para ele. E recusou, porque estava mais preocupado em aprender a dirigir a guerra para ganhar a independência. E com a sua influência é que foi escolhido o sr. Abílio de Araújo [para os cargos acima referidos], que se encontrava naquela altura em Lisboa com outros companheiros.

Em Março de 1983, Xanana Gusmão apresentou o Plano de Solução para a Guerra, o qual só em 1999 é que a ONU foi capaz de aplicar.

Em 1986, Xanana Gusmão levou um ano para estudar [e encontrar] a melhor estratégia para conduzir a guerra, o que o levou a sair do Partido Fretilin para poder abraçar todos os outros partidos a fim de abrir caminho para o multipartidarismo. Os companheiros da Delegação da Fretilin no Exterior escreveram-lhe cartas, para o mato, a dizer que não concordavam com esta estratégia e, alguns, até o apelidaram traidor... à revolução... até à data.

A UNMIT e as Agências da ONU esquecem-se que, em 2001, depois de aprovado o Plano de Transição para a Restauração, a 20/05, Xanana Gusmão não se envolveu mais no processo da UNTAET e não se envolveu mais no processo político dos partidos para a eleição da Assembleia Constituinte, retirando-se, a fim de olhar pelos veteranos e ganhar 500 (quinhentos) dólares do Banco Mundial como desmobilizado das Falintil.

sábado, 21 de maio de 2011

Os "experts" da UNMIT: peritos em quê?! (4)

Este excerto do discurso de Xanana Gusmão tem como destinatário timorenses assalariados da UNMIT com o estatuto de "experts" que influenciaram na redacção do relatório - muito crítico a Xanana, como sendo "obstáculo ao constitucionalismo" - desta instituição divulgado internamente a 24/01/2011.

«Ser cidadão não é só ter o Bilhete de Identidade para poder escolher um partido político e votar nas eleições. Ser cidadão é ter o dever de contribuir positivamente para [o desenvolvimento de] uma Nação.

Pode acontecer que um timorense se afaste deste dever, fazendo desaparecer o conceito de soberania. Esta pessoa, este timorense, considera-se um independente, por isso, para ele, os interesses da Nação já nada valem. Consideram-se independentes porque não é o Estado [timorense] que lhes paga [o salário], mas grandes e enormes Organizações, como, porventura, agências da ONU, das quais podemos também questionar a transparência e o resultado de enormes somas de dinheiro que gastam. A BBC emitiu uma reportagem em que diz que uma Agência da ONU levou biliões de dólares para o Afeganistão para melhorar as condições de vida das crianças, contudo, esgotado esse dinheiro e a Agência sai do Afeganistão, as crianças afegãs tornaram-se ainda mais pobres do que antes [da ajuda desta Agência da ONU]. »

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Os "experts" da UNMIT: peritos em quê?! (3)

Mais ataques demolidores de Xanana Gusmão aos "experts" timorenses e internacionais da UNMIT, no seu discurso de 17/05, no Centro de Convenções de Díli.

«Eu, também, tenho a minha apreciação profunda relativa a ONU e suas agências. A minha proposta é esta: a UNMIT e seus "experts" timorenses deviam oferecer-se para resolver a questão do Iraque, Afeganistão, Paquistão, e oferecerem-se também para ajudar a democracia no Iémen, Síria e Líbia. Contudo, na apresentação da UNMIT, em Janeiro de 2011, afirmam que só com a continuação da presença da ONU em Timor-Leste é que se pode desenvolver este país.

Eu quero dizer aos timorenses, que se tornaram "experts" para a UNMIT, para não se gabarem muito, para não se curvarem demasiado para o dinheiro de outros, porque esta postura é uma doença a qual designamos colonialismo mental e colonialismo intelectual. Em português diz-se alienação. A nossa Constituição diz que não se pode alienar a nossa soberania, isto é, não se pode vender a nossa soberania a estrangeiros.

Fico contente por UNMIT me fazer esta apreciação. Porque se me tivesse elogiado como sendo uma óptima pessoa... para UNMIT, seria o povo que tinha o direito de me desconfiar que eu tinha alienado os intersses deste povo, que teria alienado a soberania desta Nação. Por isso, estou contente... por os nacionais e os internacionais, na UNMIT, não estarem contentes comigo. Conhecemos alguns que se tornaram "experts" na nossa terra, mas, esses, deviam era trabalhar com o Presidente Obama para tentar resolver os 14.5 triliões da dívida americana e as enormes fraudes das instituições financeiras e bancárias que o mundo conheceu em 2009, e que afectaram negativamente a economia a escala global. Outros, ainda, tornaram-se "experts" em macroeconomia e finanças, na nossa terra. Eles é que ainda não se deram conta, mas são eles os peritos que servem para ajudar a Europa a sair da enorme crise de dívida de 788 biliões da Irlanda, Grécia e Portugal, porque o 'baillout' que o Banco [Central] Europeu e o FMI podem oferecer é de apenas 322 biliões. Esses peritozinhos detentores do Bilhete de Identidade da RDTL desconhecem ainda que grandes países do mundo precisam muito da sua ajuda. A América e a Europa precisam destes "experts" timorenses e internacionais para corrigir e melhorar os padrões e 'standards' os quais eles muito defendem.»

Comentário: Depois desta passagem demolidora para o profissionalismo e imparcialidade e brio destes "experts" timorenses e internacionais da UNMIT, os convidados desta missão da ONU começaram abandonar a sala do CCD.

Os "experts" da UNMIT: peritos em quê?! (2)

Mais um excerto do discurso de Xanana Gusmão (17/05) em que põe em causa o conhecimento dos peritos da UNMIT em áreas como economia e finanças e justiça.

«A UNMIT referiu-se também à minha resposta às "Contas Gerais do Estado 2009" como sendo 'hostil', isto é, que a minha resposta é muito crítica e que demonstra uma falta de respeito pelos Tribunais. Eu concordo que a UNMIT tem muitos peritos, todos muitos inteligentes, nacionais e internacionais, por isso é que eles não analisaram a fundo a minha resposta ao Parlamento Nacional. Mas, a sabedoria da UNMIT não chega para entender que eu, enquanto Primeiro-ministro de Timor-Leste, não aceito teorias de políticos e intelectuais de Portugal que o Tribunal menciona e escreve no seu relatório, porque acompanho a situação económica e financeira em Portugal. (Como no passado [na Resistência], não fazia a guerra na escuridão.) Na minha resposta eu procurava fazer entender que se as teorias citadas pelo Tribunal são as certas e correctas, então Portugal não entraria em bancarrota, com dívidas de 120 biliões de dólares e, hoje em dia, está de mão estendida ao Banco [Central] Europeu e ao FMI. Se isto é que a UNMIT classifica como 'hostil', então, não há nenhuma sombra de dúvida que os "experts" da UNMIT são mesmo muito inteligentes! E a UNMIT falou também do caso Maternus Bere.»

E eu, autor deste humilde blogue, acrescento: Não resta a mínima sombra de dúvida que os "experts" timorenses e internacionais da UNMIT são mesmo muito, muito inteligentes!

Os "experts" da UNMIT: peritos em quê?!

Vou transcrever uma passagem do discurso de Xanana Gusmão, proferida na Jornada Científica, dia 17/05, no CCD:

«A UNMIT considera Xanana Gusmão como obstáculo. Peritos timorenses e internacionais que trabalham na UNMIT afirmam o seguinte: "Xanana é o maior obstáculo ao 'constitucionaismo'".

Contudo, em Fevereiro de 2008, se Xanana não tivesse lido bem a Constituição da RDTL não teria feito nada para parar a inactividade [inacção] da UNMIT e a inoperacionalidade da ISF a fim de tomar a decisão de constituir a Operação Conjunta [em perseguição dos rebeldes do tenente Gastão Salsinha] para não alienar a nossa soberania , posso garantir que [hoje] ainda haveria crise [político-militar] no nosso país.

Para a UNMIT, esta é a situação desejada... porque, assim, podem permanecer mais tempo [em Timor-Leste]! E eu tenho de vos informar que alguns timorenses defendem que a UNMIT não pode deixar [o país], porque eles ajudam muito a economia do povo e se a UNMIT sair o povo há-de ficar numa pobreza extrema como aconteceu [no passado], de 2000 a 2008, durante o qual a comunidade internacional gastou perto de oito biliões em Timor-Leste e não vemos nenhum desenvolvimento físico e ainda ajudou a aumentar a pobreza na nossa terra. Porque quando eles saem aumenta a pobreza, e nós é que temos culpa!»

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Xanana rejeita acusações da ONU

Na sua intervenção na Jornada Científica organizada pela Universidade Nacional de Timor Lorosa'e (UNTL), ontem, dia 17/05, na CCD, o Primeiro-ministro rejeita as acusações da ONU contidas num relatório da UNMIT, dirigidas contra si, em que diz que "Xanana Gusmão é o maior obstáculo à implementação de políticas democráticas em Timor-Leste". Xanana reagiu a essas acusações, criticando fortemente os funcionários timorenses que estão a trabalhar na missão da ONU em Timor, a UNMIT, para não se vangloriarem muito e falsificarem dados em relatórios oficiais desta organização a fim de transmitir um falso ambiente de instabilidade político-social, dando argumento para o prolongamento da UNMIT para além de 2012 (e quiçá também para não perderem os seus faustosos vencimentos e satisfazerem as suas simpatias políticas). Xanana relembrou que se, em 2008, na sequência dos atentados de 11/02, o Governo tivesse dado ouvidos aos conselhos da ONU para empregarem as forças militares em missão da ONU, em Timor-Leste, na perseguição dos rebeldes do tenente Gastão Salsinha a esta hora ainda haveria guerra em Timor para justificar a sua presença. Acrescentou que a criação da Força Conjunta F-FDTL/PNTL foi a melhor opção para os timorenses, pois ganhou-se a guerra sem dar um único tiro: foi uma demonstração de clarividência e maturidade dos políticos timorenses.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Caso Bere: Xanana foi chantageado

O blogue do conclave dos detractores de Xanana http://www.timorhauniandoben.blogspot.com/ acaba de comentar no artigo "Xanana é ditador, grande novidade!" uma notícia do http://www.temposemanal.blogspot.com/ em que se dizia que a ONU, numa reunião, teria afirmado que "Xanana Gusmão é o maior obstáculo à implementação de políticas democráticas em Timor-Leste", citando de entre outros o facto da libertação de Martenus Bere como sendo da iniciativa do Primeiro-ministro. Não. Quem decidiu libertar Martenus Bere foi Ramos-Horta. Vou transcrever os três últimos parágrafos do texto que escrevi a próposito deste facto (12/09/2009), neste blogue, onde vêm explicadas as razões desta soltura do criminoso do massacre da Igreja de Suai:

«O Presidente Horta queria a viva força mandar soltar nas comemorações de 30 de Agosto o criminoso Martenus Bere, como sinal de amizade e boa vontade à Indonésia, mas encontrou oposição do Primeiro-ministro Xanana.

Para levar avante tal medida, Ramos Horta impôs a Xanana a soltura de Bere: libertá-lo sem demora, ou Horta - enquanto Presidente da República - não iria presidir às cerimónias da comemoração do 10º aniversário do Referendo, deixando mal Xanana e o seu governo perante os convidados internacionais.

E para ter a certeza absoluta que a sua vontade de soltar Bere é concretizada pelo Governo, atrasou-se até ao limite às comemorações, comparecendo, só, depois de receber a garantia de Xanana de que a sua vontade será cumprida, dada em pleno palanque, com todos os convidados intenacionais já presentes, enquanto se aguardava a chegada do Presidente Horta para se iniciar as cerimónias.»

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Caso José Luís Guterres: Ministério Público recorre da sentença

O Ministério Público discorda da absolvição de José Luís Guterres e vai recorrer da sentença ao Tribunal de Recursos. Penso que pretende ver confirmada pela alta instância judicial timorense a sua miopia. É que insistir nesta acusação revela falha de bom senso. Não tem pernas para andar. A sentença está muito bem sustentada. Não tem pontas por onde se lhe pegue. Mas tente!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

José Luís Guterres absolvido

José Luís Guterres foi absolvido pelo Tribunal da 1ª instância de Díli, dia 9/05, das acusações de "enriquecimento ilícito e abuso de poder", suspeitas essas inicialmente levantadas há três pela bancada da Fretilin no Parlamento Nacional, em represália por o actual Vice-Primeiro-ministro ter deixado o partido e levado consigo metade de eleitores naturais da Fretilin e integrar o IV Governo Constitucional. O colectivo de juízes considerou infundadas as acusações deduzidas pelo Ministério Público e ilibou José Luís Guterres de "crimes " (relativas à nomeação de sua esposa, cidadã moçambicana, para o cargo diplomático de Conselheira da Missão timorense junto da ONU) alegadamente praticadas no exercício das suas funções de ministro dos negócios estrangeiros do II Governo Constitucional liderado pelo então PM Ramos-Horta.

Consta que alguns influentes políticos moçambicanos manifestaram o seu desagrado junto de alguns dirigentes da Fretilin por estes terem desencadeado um processo-crime contra José Luís Guterres em que a principal visada é uma cidadã moçambicana. Consta ainda que alguns poderosos políticos moçambicanos sugerem mesmo retirar a cidadania moçambicana e passaportes diplomáticos aos autores dessa acusação.

domingo, 8 de maio de 2011

"José Sócrates deve ser severamente punido nas próximas eleições"

São afirmações de António Barreto, em longa entrevista ao jornal I, dia 7/o5, concedida ao jornalista Luís Claro, relativamente ao primeiro-ministro - José Sócrates Pinto de Sousa - que conduziu o país ao abismo e à bancarrota, devido a sua incompetência, vaidade, teimosia e autismo, nesses seis anos dos seus dois mandatos, anestesiando os Portugueses com técnicas de vendedor de banha de cobra e de ilusionismo de feira e de um pastor da IURD, levando pacóvios a voltarem a depositar o seu voto em 2009 ao "menino de oiro", como lhe apelidou uma das suas fiéis, e "animal feroz", como se auto-intitulou, numa entrevista.

António Barreto afirma ainda que "o primeiro-ministro, José Sócrates, não está à altura, não é capaz de contribuir para soluções futuras", acresecentado que essa sua convicção se assenta n"a maneira como ele foi o responsável do declínio do país e a maneira como se tem comportado perante o pedido de assistência" e também a forma como "quando anunciou os resultados das negociações fez uma coisa extraordinária que foi dizer o que não está no acordo e não anunciou o que estava" [no acordo com a União Europeia, o Banco Central Europeu e FMI], rematando que "foi um momento obsceno da vida política".

Ao responder à pergunta do jornalista sobre se, apesar das críticas dirgidas a José Sócrates, ainda via "alguma possibilidade de vir a existir uma coligação que inclua o PS", António Barreto diz que o PS é necessário para uma solução, mas "não necessariamente para a formação de um governo", quiçá uma "associação ao governo, um acordo de incidência parlamentar" ou outro, mas também está "convencido que o primeiro-ministro, José Sócrates, precisa de ser muito, muito severamente castigado e a melhor maneira de o castigar é através da via eleitoral", "porque ele é pessoalmente responsável pelo mau estado a que Portugal chegou, as finanças públicas e o Estado".
http://www.ionline.pt/conteudo/121646--jose-socrates-deve-ser-severamente-punido-nas-proximas-eleicoes.htlm

terça-feira, 3 de maio de 2011

4º dia do 2º Congresso do CNRT (7)

Deliberações importantes saídas do 2º Congresso do CNRT:
Nas eleições legislativas de 2012: i) conseguir maioria absoluta nas votações; ii) conseguir 45 ou mais de assentos no Parlamento Nacional.

Nas eleições presidenciais de 2012: Convocar, em Setembro ou Outubro, uma Conferência Nacional ou um Congresso Extraordinário para analisar e decidir sobre as eleições presidenciais.

4º dia do 2º Congresso do CNRT (6)

Os congressitas decidiram continuar a confiar em Xanana Gusmão para Presidente e Dionísio Babo para Secretário-geral do Partido.

Relativamente às votações para as duas listas concorrentes para o Conselho Directivo Nacional ganhou a lista onde consta, de entre outros, o nome de Vicente Guterres (o actual Vice-Presidente do Parlamento Nacional).

segunda-feira, 2 de maio de 2011

4º dia do 2º Congresso do CNRT (5)

Está a ser entrevistado o Secretário-geral eleito, Dionísio Babo, pelo repórter da TVTL em serviço no congresso. Babo afirma que está agradecido pela confiança em si depositada pelos delegados, sendo ele um novato na política. Acrescentado que é importante a entrada para o partido de caras novas, de adesão de novos militantes, para continuar a obra, o trabalho dos mais velhos, dos veteranos da política. Continuando o seu discurso, afirma que é uma formiga ao pé de muitos dirigentes políticos, como Lu Olo, Mari Alkatiri, Rogério Lobato (citando entre outros), no entanto confia mais em Xanana Gusmão, e que está na política para contribuir para o desenvolvimento do país dentro do espaço político ocupado pelo CNRT.

4º dia do 2º Congresso do CNRT (4)

Vai decorrer dentro de momentos a votação para escolher o Conselho Directivo Nacional do Partido. Entretanto alguns delegados solicitaram à mesa para retirarem os seus nomes das listas concorrentes, alegando um que é ainda muito novo para assumir cargos de responsabilidade nacional e outro que já é velho e cansado para contribuir num órgão nacional. Estão a ser substituídos nas respectivas listas.

São apresentadas duas listas para a eleição dos membros do Conselho Directivo Nacional. O Presidente da Mesa do Congresso, Xanana Gusmão, dá, neste momento, ao início das votações ao CDN. São 47 membros e dez suplentes. Os delegados votam por distritos.

4º dia do 2º Congresso do CNRT (3)

Contagem final: Lista B: 507 votos; Lista A: 293 votos; Nulos: 18 votos. Dos 872 eleitores votaram 818 delegados.

4º dia do 2º Congresso do CNRT (2)

Neste momento já terminou a contagem da segunda urna. O resultado da contagem das duas primeiras urnas foi o seguinte: Lista A: 218 votos; Lista B: 296 votos. Está a decorrer agora a contagem da terceira e última urna.

4º dia do 2º Congresso do CNRT

Ainda está decorrer, neste preciso momento, a contagem dos votos depositados na segunda das três urnas na votação para as duas listas concorrentes. As duas listas têm a particularidade de proporem as mesmas pessoas para o Presidente do Partido, Xanana Gusmão, e para o Secretário-geral, Dionísio Babo; diferem apenas nos nomes para vices do Presidente e para os adjuntos do Secretário-geral. Há um número significativo de votos nulos. Votaram 873 delegados.

Missa da beatificação do Papa João Paulo II em Tasitolu

Facto inédito é a cúpula do Estado timorense (o Presidente da República Ramos Horta, Primeiro-ministro Xanana Gusmão, Vice-Presidente do Parlamento Nacional Vicente Guterres, Presidente do Tribunal de Recursos Cláudio Ximenes e o Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas Taur Matan Ruak) fazer a entrega do "Ofertório" ao presidente da celebração eucarística, D. Alberto Ricardo, bispo de Díli.


Uma nota negativa a assinalar: a televisão estatal timorense TVTL terminou a cobertura desta celebração pouco depois da comunhão, enquanto decorria ainda um ritual genuinamente timorense, no altar, em homenagem também ao Papa João Paulo II, alegando compromisso com a Timor Telecom, privando os telespectadores de assistirem até ao fim esta importante missa campal, em Tasitolu).

3º dia do 2º Congresso do CNRT

A Mesa do Congresso decidiu prolongar por mais um dia o congresso devido ao número elevado de inscrições para discutir as propostas de revisões dos Estatutos do Partido (e também porque os congressistas propuseram uma paragem, no período de tarde de domingo, para participarem na missa da beatificação do "Papa que colocou Timor no mapa" político, João Paulo II, segundo afirmação do então embaixador brasileiro acreditado em Lisboa, Aparecido de Oliveira, à delegaçãoNegrito da Convergência Nacionalista Timorense, em Setembro de 1989).

sábado, 30 de abril de 2011

2º dia do 2º Congresso do CNRT

Foi aprovado, ontem, o Regimento do Congresso. Hoje, foi eleita a mesa do Congresso Nacional. Neste momento está a decorrer a apreciação do Relatório de Actividades do CNRT apresentado pelo Secretário-geral. Ainda neste segundo dia do congresso realizar-se-á a discussão e aprovação de propostas de revisão dos Estatutos do Partido e do Programa do Partido para 2012 a 2017 e proceder-se-á também a actualização do Manual Político. Amanhã, serão as eleições para os Órgãos nacionais do Partido para os próximos cinco anos.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

O Tribunal Constitucional declarou inconstitucional a revogação pelo Parlamento da ADD!

... mas não desanimemos. A "inconstitucionalidade" deveu-se apenas a um aspecto formal, mas a a reprovação política por todos os deputados da Assembleia da República, excepto os do PS e Pacheco Pereira, deste modelo canhestro da ADD mantém-se. Tenhamos esperança no próximo parlamento saído das eleições de 5 de Junho.

2º Congresso do CNRT: coligação ou não?

Em caso da vitória eleitoral do CNRT, nas legislativas de 2012, o partido poderá optar por governar sozinho, porque a actual aliança com outros partidos, a AMP, está a ser uma experiência negativa em vários aspectos de governação porque apesar de o CNRT liderar o governo, mas parece não controlá-lo. Nesta aliança o CNRT não conseguiu implementar o seu programa de desenvolvimento do país devido a várias "visões concorrentes" dos vários partidos da coligação, pois os ministérios relevantes vocacionados para a concretização de um desenvolvimento visível e palpável para o benefício directo das populações estarem na mão de outros.

1º dia do 2º Congresso do CNRT


  • 1º momento: Aprovação do Regimento do Congresso;

  • 2º momento: Eleição da mesa do Congresso (de acordo com o "regimento" aprovado);

  • 3º momento: Verificação da legalidade de mandatos pela Comissão de Verificação e Validação de Mandatos (de acordo com o "regimento" aprovado)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Faleceu o veterano da Resistência Júlio Besitaurubi

O guerrilheiro que evitou a captura (ou mesmo a morte) de Xanana Gusmão, a 15 de Setembro de 1981, em Aitana, na Operação Kikis lançada pelo inimigo, Júlio Besitaurubi, natural de Baguia, faleceu na madrugada de Domingo da Ressurreição, por volta das três horas de madrugada, no hospital principal de Díli. Foi sepultado, hoje, no Panteão dos Heróis da Pátria, em Metinaro. Júlio Besitaurubi era elemento da unidade de protecção ao líder da Resistência, Xanana Gusmão, e a 15 de Setembro de 1981, em Aitana, perante a desproporção de forças, ofereceu a sua vida e a dos seus companheiros para permitir que o Comandante Xanana conseguisse escapar do cerco inimigo. Após quebrar o último anel do cerco inimigo e pôr a salvo Xanana, Júlio Besitaurubi regressou ao centro do cerco para resgatar os seus companheiros que lhes deram a cobertura de fogo para saída de Xanana. Gravemente atingido numa perna, impedido de prosseguir a sua marcha, foi capturado pelo inimigo nesse mesmo dia. Do seu grupo apenas se salvaram três soldados.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

2º Congresso do CNRT

O CNRT vai realizar o seu congresso, de 29 de Abril a 1 de Maio, em Díli. De entre outras questões políticas, o congresso irá discutir as linhas gerais do programa político para as eleições legislativas de Junho 2012 e irá também definir o perfil do seu candidato às presidenciais de Março 2012.

É minha convicção que um dos factores determinantes para o CNRT vencer nas eleições legislativas de 2012 é vencer, em primeiro lugar, às presidenciais de Março 2012. Por isso, o CNRT deve concorrer com o seu próprio candidato às eleições presidenciais. Nunca, mas NUNCA, ir à reboque do candidato de um outro qualquer partido, isto é, nunca, mas NUNCA apoiar o candidato de um partido seu concorrente nas legislativas de Junho 2012. Seria uma estratégia errada o CNRT não se apresentar às presidenciais com candidato próprio. É oferecer a vitória aos seus adversários por "não comparência ao jogo".

sábado, 26 de março de 2011

O "animal feroz" foi obrigado a amansar-se

O pior primeiro-ministro desde o 25 de Abril, José Sócrates, demitiu-se. Arrogante, prepotente e incompetente: arruinou o país, afrontou injustamente várias classes profissionais (polícias e militares, médicos e enfermeiros, juízes e professores e toda a classe de funcionalismo público). Congelou carreiras e salários, havendo servidores do Estado que se encontram posicionados no mesmo escalão há oito ou mais anos. Submeteu os professores a tratos de polé, começando, numa primeira fase, 2005, com Maria de Lurdes Rodrigues, a denegrir os professores nos meios de comunicação social, como sendo uma classe de mandriões, absentistas, a fim de ganhar simpatia junto dos pais e encarregados da educação e da população em geral para preparar terreno para congelar salário e carreira e impor a famigerada ADD1 e ADD2, sendo esta última versão, finalmente, lançada pela borda fora, ontem, 24/03, pelos deputados, ao aprovar a proposta do Projecto de Lei nº 575/XI do Grupo Parlamentar do PSD e a proposta do Projecto de Lei nº 571/XI do Grupo Parlamentar do PCP, sendo as duas propostas amalgamadas num único texto final em "Texto de substituição - Projecto de Lei nº 571/XI/2ª (PCP), Projecto de Lei nº 575/XI/2ª (PPD/PSD) - Suspensão do actual modelo de Avaliação do Desempenho de Docentes ". Gostava de ver, agora, a cara dos defensores acerrímos e dos situacionistas do modelo de avaliação que, ontem, foi parar ao lixo, esses mesmos que pela sua postura pressionavam os que se recusavam a entregar os chamados "objectivos individuais" e a "ficha de auto-avaliação".

segunda-feira, 21 de março de 2011

O perfil que um político tem que personificar

Um político deve « ser abnegado e entregue à causa pública, humilde, honesto e íntegro, magnânimo e sensato, com formação adequada ao que se compromete atingir ou com capacidade para poder escolher equipas ou individualidades que nisso o possam ajudar e não ter qualquer interesse pessoal a satisfazer para além da defesa dos interesses da comunidade e do país.»

Continuar a ler, no http:www.pauparatodaaobra.blogs.sapo.pt, o artigo de opinião «A mesquinhez e a mediocridade da maioria dos políticos portugueses» de Jorge Cabral.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Elogio de Horta a Xanana na TVTL

«Se em 81 não tivesse surgido Xanana para reorganizar a Resistência não teria havido o 99; se em 99 Xanana não tivesse a calma e sangue-frio necessários para discernir o essencial perante a violência dos ocupantes - antes do Acordo de Nova Iorque, em Maio, e antes do Referendum, a 30 de Agosto, quando muitos defendiam que era melhor adiar à consulta popular, Xanana defendia que, apesar da violência exercida sobre a população, apesar da insegurança, o Referendum teria de realizar-se como fora acordado e programado - Timor não estaria, hoje, livre e independente.»

Afirmação de José Ramos Horta, Presidente da República, 16 Março 2011, na TVTL

sábado, 12 de março de 2011

Entrevista a Marito Reis na TVTL

Gostei de ouvir Marito Reis na entrevista que concedeu a TVTL, 12/03, sobre o recenseamento dos combatentes e veteranos da Luta da Libertação da Pátria e as dificuldades que enfrenta na validação dos dados recolhidos. Esclarece o Secretário de Estado dos Combatentes e Veteranos, Marito Reis, que havia e há vários impostores que se fizeram passar por veteranos ou por herdeiros de mártires da Pátria, ou alguns ainda que em conivência com as "comissões" à nível sub-distrital, distrital e regional aumentaram o seu tempo de participação na guerra de libertação com o intuito de enganar o Estado a fim de receber o subsídio correspondente a um grau acima do merecido. Depois de ouvi-lo cerca de uma hora, fiquei com uma muito boa impressão deste combatente; na sua postura, demonstra um homem sério, coerente e competente nas suas funções de governante, em uma área tão sensível como a questão dos combatentes e veteranos.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Ramos-Horta afirma não se recandidatar

Horta, em declarações à TVTL (Televisão de Timor-Leste), 10/3, afirma não pretender candidatar-se às presidenciais de 2012, mas com um misto de sarcasmo lá diz que já há quem se veja sentado na cadeira - que ainda é sua - para lhe tirar as medidas, se será necessária uma de assento maior, ou simplesmente importar uma de Tailândia, acrescentando o actual PR que todos os móveis do Palácio Presidencial são de produção nacional, todos da carpintaria de Baniuaga. E quando lhe foi perguntado caso houvesse uma vaga de fundo a pedir-lhe para ele se recandidatar para um segundo mandato, Horta responde que no país há muitos e bons filhos de Timor que podem muito bem vir a ser um bom presidente, citando, entre outros, o general Ruak, Fernando Lasama e Micató (Maria Domingas Alves, a actual ministra de solidariedade). Prosseguindo o seu raciocínio, o actual PR esclarece que aceitou candidatar-se nas últimas presidenciais de 2007 devido a crise 2006, e como a actual situação política do país é estável e a população vive o seu dia a dia de uma forma tranquila, não se sente obrigado a recandidatar-se ao cargo que ora lhe pertence. Relativamente às personalidades elegíveis por PR Horta, apenas Lasama está disponível para se candidatar às presidenciais, segundo declarações públicas, em duas ocasiões, nos últimos dias, do próprio presidente do Parlamento Nacional; Micató nunca se mostrou interessada em candidatar-se (eu nunca a ouvi , nem li afirmações suas nesse sentido); do general Matan Ruak, segundo consta, apenas se conhece uma afirmação que lhe é atribuída: "Se eu sair agora do comando das Forças Armadas, não sei se o meu sucessor saberia trancar os portões das casernas!" Para bom entendedor...

quarta-feira, 9 de março de 2011

Caso José Luís Guterres:"enriquecimento ilícito e abuso de poder "

De acordo com o documento a que a TVTL (Televisão de Timor-Leste) teve acesso - divulgado no seu jornal de ontem, 8/3, e que alguns blogues fizeram eco - relativo ao processo de nomeação da esposa de José Luís Guterres, o MNE da altura dos factos, revela que a 'instrução' da sua nomeação para Conselheira da Embaixada da RDTL na ONU foi dada pelo então primeiro-ministro do II Governo Constitucional José Ramos Horta, em documento oficial datado de 25/10/2006. A fazer fé neste documento, o Ministério Público terá de deduzir também uma acusação contra Ramos Horta, pois foi ele quem, enquanto superior hierárquico de José Luís Guterres, iniciou o processo da nomeação e posse como diplomata da esposa do ex-MNE, o agora vice-primeiro-ministro do IV Governo Constitucional. Assim sendo, que acusação o Ministério Público irá proferir contra Ramos Horta? "Abuso de poder"!?

Em bom português vos questiono: E agora, senhores procuradores, como descalçais a bota?

quarta-feira, 2 de março de 2011

José Luís Guterres: enriquecimento ilícito e abuso de poder?!

O timing da acusação deduzida pelo Ministério Público a José Luís Guterres de "enriquecimento ilícito e abuso de poder" poderá obedecer a um calendário político milimetricamente traçado para tirar do caminho das presidenciais de 2012 um potencial candidato do CNRT com sérias probabilidades de bater nas eleições de Março/Abril 2012 o candidato presidencial da área da Fretilin. Entretanto, o julgamento deste caso foi adiado na audiência de hoje, dia 2/02, no Tribunal Distrital de Díli, argumentando o juiz-presidente que o adiamento do julgamento deve-se ao, ainda, não levantamento da imunidade do Vice-PM José Luís Guterres pelo Parlamento Nacional, acrescentando que o tribunal não pretende incorrer na ilegalidade prosseguindo com o julgamento do Vice-Primeiro-ministro, embora o PM Xanana já o tenha suspenso das suas funções governamentais a fim de o seu vice prestar contas à justiça, nomeando em sua substituição para coordenar o Governo a ministra Emília Pires. Recorde-se que o Primeiro-ministro Xanana encontra-se de visita oficial no estrangeiro.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Xanana e CNRT devem apresentar o seu próprio candidato às eleições presidenciais 2012

Xanana e CNRT não devem apoiar o candidato de qualquer outro partido.

Xanana deve seguir uma estratégia pró-activa, apresentando ao eleitorado um candidato presidencial próprio, politicamente credível, com trabalho realizado no terreno já suficientemente conhecido e apreciado pelo eleitorado e que possa, também, garantir transversalmente parte de votos do eleitorado 'natural' de outros partidos.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Horta e as presidenciais de 2012

Horta não se atreveria a recandidatar-se sem o apoio expresso de Xanana Gusmão e do CNRT. Mas, se se teimar em recandidatar-se para um segundo mandato presidencial, em 2012, como candidato da Fretilin, Horta corre sérios riscos de ser humilhado nas urnas com uma estrondosa derrota. Ou talvez não! Posso me enganar... tenho também direito ao engano! O futuro o dirá!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Eleições presidenciais 2012: CNRT deve apresentar o seu próprio candidato

CNRT e Xanana devem apresentar nas presidenciais de 2012 um candidato forte e ganhador a fim de ganhar balanço e ânimo político para vencer as legislativas de 2012; porque perdendo o candidato do CNRT e Xanana nas presidenciais à favor de uma outra candidatura, perde-se o balanço e ânimo político necessários para uma campanha legislativa ganhadora.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Presidenciais 2012: Xanana não deve apoiar a recandidatura de Horta

Xanana Gusmão não deve apoiar a recandidatura de Ramos-Horta para um segundo mandato como PR, nem propô-lo como candidato do CNRT às próximas eleições presidenciais. Múltiplas sãos as razões, mas as que vou enumerar são decisivas para o não apoio à sua recandidatura.
1. Horta, assim que for novamente eleito para um segundo mandato presidencial, irá criar dificuldades de vária ordem para impedir uma governação normal, sem grandes sobressaltos, a Xanana, enquanto Primeiro-Ministro.
2. Horta irá esgotar todas as possibilidades que a constituição prevê para mover uma guerra sem quartel a PM Xanana.
3. Horta, não conseguindo derrubar PM Xanana através de suas prerrogativas constitucionais, irá recorrer a meios judiciais através de interpostas pessoas, no terreno, para impedir Xanana de continuar Primeiro-Ministro.
4. Horta vai destruindo Xanana, em lume brando nos seus cinco anos de mandato, na sua honorabilidade enquanto político e cidadão e enquanto rosto da libertação da pátria.
5. Removendo o grande obstáculo Xanana às suas imensas ambições, Horta, depois do seu segundo mandato presidencial, irá concorrer a Primeiro-Ministro. Por qual partido? O futuro ditará!

domingo, 30 de janeiro de 2011

Saúde: pobres ficam em terra...

Serve este artigo para chamar a atenção dos responsáveis de saúde deste nosso país, Timor-Leste, que esta jovem, mais quatro de suas companheiras de infortúnio, padecem de tumor num dos membros superiores (afectando também o sovaco e uma das partes do tórax) duas, e três de um dos membros inferiores abaixo de joelho até o pé. Estas cinco jovens estão a ser acompanhadas por um cirurgião do Hospital de Baucau desde 2004, contudo necessitam urgentemente de serem evacuadas para serem tratadas no estrangeiro por especialistas. O Hospital de Baucau já fez os contactos necessários com um hospital de Surabaya, Indonésia, tendo este último aceitado receber as quatro pacientes, desde o ano 2009. Ironia das ironias: o Ministério da Saúde timorense responde que há falta de verba para as enviar ao referido hospital de Surabaya. Estas cinco pacientes são oriundas de famílias muito pobres, como a grande maioria dos timorenses; por isso não podem ter acesso a um tratamento adequado no exterior... Enquanto os ricos e muito ricos que podem perfeitamente custear o seu tratamento e o dos seus familiares, se necessário, são evacuados com urgência, com todas as despesas custeadas pelo orçamento do Ministério de Saúde... E os pobres, como estas cinco jovens, ficam em terra... até quando?!

sábado, 22 de janeiro de 2011

Díli: a maioria dos portugueses residente não vai poder votar nas presidenciais de domingo, 23/01

Muitos dos cidadãos portugueses residentes em Timor-Leste, inscritos na Embaixada Portuguesa de Díli, não vão poder votar nestas eleições eleições presidenciais de domingo, 23/01, porque não vão foram avisados para se recensearem pelos serviços da embaixada nem via SMS nem através de nenhum aviso afixado na chancelaria de Díli. Apenas alguns cooperantes foram avisados via SMS em fins do mês de Outubro para se dirigirem aos serviços consulares a fim de se recensearem até 23/11 para as eleições do próximo domingo 23/01.

Os cidadãos portugueses ignorados estão muito ressentidos com a Embaixada de Díli.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Rogério Lobato candidato a Secretário-Geral da Fretilin?

Segundo consta, Rogério Lobato - irmão de Nicolau Lobato, morto em combate a 31 de Dezembro de 1978, cuja efeméride o Estado timorense assinalou pela primeira vez no passado 31/12, no Palácio Presidencial - está a iniciar contactos para se candidatar a Secretário-Geral contra a recandidatura do actual SG da Fretilin, Mari Alkatiri, no próximo Congresso da Fretilin.

Consta ainda que Rogério Lobato se candidata ao cargo de SG a fim de ter um palco para denunciar interesses de - segundo dizem - um pequeno grupo que está e sempre esteve a aproveitar-se do sofrimento de outros para sobreviver.

Consta também que no próximo Congresso da Fretilin 2011, Rogério Lobato vai esclarecer - de entre outros assuntos - quem decidiu mandar distribuir armas e criar milícias na crise de 2006, e vai dizer ao Congresso quem autorizou a entrada de homens armados em pleno congresso do partido de 2006 para inviabilizar a candidatura de José Luís Guterres e coagir os congressistas a votarem, de braço no ar, no único candidato Mari Alkatiri.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Fretilin: promessa histórica do ano

Ao finalizar o seu discurso na efeméride do 32º aniversário da morte de Nicolau Lobato, 31/12, no Palácio Presidencial, Lu Olo, presidente da Fretilin, fez uma uma declaração histórica - que a cumprir-se será um passo gigante, pela positiva, na política timorense - ao afirmar renunciar "a violência como instrumento de conquista de poder", prevalecendo só e apenas a vontade do povo livremente expressa nas urnas. E para reforçar este novo princípio o partido instituiu a década de 2010-2020 a "década da Paz, Estabilidade e do arranque para o Desenvolvimento". Os timorenses louvam esta nova postura política da Fretilin, ao renunciar, com esta declaração, a tão apregoada e sempre adiada "Marcha de Paz". As próximas eleições de 2012 (presidenciais e legislativas) bem precisam de paz política para que se realizem num ambiente de festa da democracia sem causar desassossego na população, nem provocar mais fracturas 'tribais', nem mais originar perdas de vida humana como no passado.

Passo a transcrever a passagem histórica do discurso do presidente da Fretilin, Lu-Olo:

«Com esta data fechamos as portas ao ano 2010. Dentro de poucas horas estaremos em 2011. No ano passado, nesse mesmo dia, a Fretilin, através do seu SG lançou o desafio de todos nos juntarmos para fazermos da década 2010/2020 década da Paz, Estabilidade e do arranque para o desenvolvimento. Reiteramos hoje este mesmo apelo sob o olhar silencioso de Nicolau Lobato. Nós, a Fretilin, rejeitamos a violência como instrumento para a conquista do poder. Já o demonstramos na prática. Para nós 2011 será um ano de crucial importância para a afirmação deste princípio de rejeição da violência e do respeito pela vontade do povo expresso livremente nas urnas. Por isso lançamos o desafio de todos fazermos de 2011 o ano de criação de confiança entre todos os timorenses, ano da consolidação da democracia e do Estado do Direito. Da nossa parte tudo faremos para contribuirmos neste sentido.»